Para você

Últimas Notícias e artigos

Capri Online Nº 55

30 de Setembro de 2020


 

Diamante Bavete Cauda Longa

 

PHOEPHILA ACUTICAUDA

O Bavete cauda longa (Poephila acuticauda) é uma espécie de ave passeriforme da família Estrildidae, endêmica no norte da Austrália. Estima-se que seu alcance abranja entre 1.000.000 e 10.000.000 km², da Austrália Ocidental até Queensland.

O Bavete cauda longa, é distribuída por inúmeras áreas geográficas da Austrália. É um pássaro exótico que se destaca pela coloração negra impregnada na garganta (babador). A cauda é alongada, duas finas penas (filetes) se projetam mais longas que o resto do rabo, por esse motivo muitos aficionados chamam o pássaro de “Bavete de cauda longa”.

 

A cabeça é de cor acinzentada, o corpo acinzentado e acastanhado; eles têm um bico reto muito forte de cor vermelha, como as pernas. Na parte inferior do corpo, é delineada uma linha preta que limita o corpo verticalmente; ocorre uma coloração branca que termina na cloaca do pássaro. Adulto, medem em média cerca de 15cm de comprimento.

 

Ele vive em comunidade, seu habitat favorito são áreas com abundante vegetação herbácea e pequenos riachos onde a água doce flui.

 

Atualmente, parece que a população é estável, não há dados significativos que sugiram perigos eminentes; portanto, a Lista Vermelha (Perigo de Extinção) avalia as espécies como de Menor Preocupação.

 

Pode ser encontrado na savana da Austrália. Seu status de conservação foi avaliado como de baixa preocupação (LC).

 

Geralmente é um pássaro quieto, embora o macho seja muito territorialista; em ambiente doméstico, se houver uma fêmea na gaiola, geralmente se dá bem com os outros pássaros do aviário, é a espécie mais elegante de aviário, quase nunca se sabe quanto está mudando de penas, eles geralmente mantêm a plumagem em perfeitas condições (penas lisas). A cor do bico pode ser laranja ou vermelho forte, dependendo da subespécie.

 

De tamanho pequeno, entre 15 e 17cm aproximadamente, sua plumagem na parte superior (costas) varia entre um cinza com tons suaves de marrom e um cinza ligeiramente mais escuro em direção à cauda. A parte inferior é mais clara, terminando em branco, apenas interrompida por flancos pretos que se erguem das pernas. Sua característica distintiva é que, sob o bico, eles têm uma mancha preta arredondada como babador.

 

É um pássaro robusto e bastante social e se você deseja criar em colônia o seu cuidado é bastante simples. Não são hostis às pessoas. Ele tem um caráter alegre e confiante, com um canto bastante doce e flauteado.

 

O Bavete cauda longa, é um pássaro popular na ornitologia, devido ao seu cuidado fácil, além de ser compatível se você quiser tê-los em colônia por serem animais dóceis, eles também não mostram muita hostilidade em relação às pessoas.

 

Fonte: Revista Passarinheiros & Cia Ed. 113

 

Doenças que influenciam na produção de ovos

Foto: National Geographic Brasil

1 - Doenças crônicas

 

- Muitas vezes nos deparamos com plantéis de aves onde os indivíduos estão em caráter débeis e a época de postura evidencia o surgimento de doenças (pela fraqueza dos indivíduos de uma maneira geral).

 

- Pensamos que aves doentes de modo crônico não fazem posturas e não criam, mas isso vai contra ao que encontramos no nosso dia-a-dia. Muitas aves acometidas por doenças crônicas chegam a fazer posturas e mesmo a criar, mas em um índice baixo e comprometendo até mesmo suas vidas. A luta que esses indivíduos se lançam para manter o material genético e perpetuação da sua espécie é deveras sacrificante para os pais doentes e dignas de aplausos.

 

2 - Infecção do trato reprodutivo por bactérias

 

- Infecções do útero da fêmea de modo leve, muitas vezes pode levar a morte precoce de filhotes recém nascidos.

 

- As infecções de útero podem favorecer a alterações na formação da casca dos ovos e contratação da parede uterina, favorecendo a atravessamento de ovos, rompimento da parede do útero e mesmo infecções generalizadas.

 

3 - Infecção do peritônio por ovo

 

- A peritonite por ovo pode ser ocasionada por vários motivos, levando acertadamente à queda da produção de ovas da ave.

 

- Muitas aves que se recuperam da peritonite por ovos se tornam debilitadas e tem dificuldade de produção e postura, devido a formação de aderências distensão abdominal e esforços exagerados nas posturas subsequentes.

 

4 - Anormalidades na cloaca

 

- Muitas vezes temos aves afetadas por acidentes e mesmo doenças que podem afetar a integridade da cloaca que da ave. Problemas como perda de tônus muscular, estrangulamentos, cicatrizes e mesmo papilomatoses cloacais. A musculatura ou ligações internar da cloaca fracas podem enfraquecer e danificar, devido a posturas sequenciais, esforços exagerados em posturas, ovos com má ou excesso de calcificação, o que pode acarretar em danos e fragilização da cloaca. Os prolapsos variam de grau e dependendo podem até mesmo levar a óbito a ave. Os papiliomas cloacais podem dificultar ou mesmo obstruir a saída dos ovos e levar a incapacidade da ave de reproduzir. Como a Papilomatose tem fundo viral a sua disseminação tem caráter venéreo, ou seja, passa de modo sexual. As estenoses (estrangulamento) da cloaca e cicatrizes podem ser ocasionadas por traumas, acidentes, posturas dificultosas, pós-cirúrgicas, entre outas causas.

 

5 - Hérnias abdominais

 

- São rompimentos da parede abdominal, levando a fragilidade da região, dificultando defecação e mesmo posturas. As causas são diversas e incluem posturas sequenciais, traumas, grandes esforços e qualquer motivo que faça com que a ave tenha um esforço exagerado abdominal que possa lesionar a musculatura da região. A solução é a correção cirúrgica, mas dependendo da lesão e cronicidade, o grau de recuperação não é satisfatório.

 

6 - Tumores abdominais

 

- Lipomas, xantomas, tumores renais e gonadais podem impedir a postura por obstrução mecânica. Não existe espaço para que o ovo saia, há uma obstrução física causada pelo tumor.

 

7 - Outros problemas

 

- Podem estar relacionados com o estado de saúde, estado nutricional, má formação do útero má formação estrutural (ex. perna torta que não permita que a ave faça postura), esgotamento físico por posturas sequenciais, idade da ave (quanto mais velha, maiores os problemas. Lembrando que aves que entram em postura de modo precoce também são alvos de problemas) e doenças que possam refletir no aparelho reprodutivo (doenças virais, fúngicas).

 

Sempre que possível procure o auxílio de um Médico Veterinário de sua confiança.

 

Fonte: Passarinheiros & Cia Edição 12.

 

SIGA-NOS NAS

REDES SOCIAIS...

 

 atendimento@anilhascapri.com.br

 

 (11) 3076-7878

 

 

 

Nossos Projetos

WhatsApp